O Procurado
é um filme para ser visto sem qualquer preconceito realista. Explico: a produção americana do russo Timur Bekmambetov é recheada de ação, violência ao extremo e efeitos especiais alucinantes, tudo inspirado na série de histórias em quadrinhos de Mark Millar e J.G. Jones.

O enredo gira em torno Wesley Gibson (James McAvoy), um jovem de vida medíocre que aos 25 anos, não conhece seu pai, tem freqüentes ataques de pânico, odeia seu trabalho e sua chefe, e, ainda, tem uma namorada que o está traindo com o melhor amigo.

Tudo muda quando aparece em sua vida a belíssima Fox (Angelina Jolie), que diz a Wesley que seu pai foi o maior assassino do mundo e foi morto recentemente. Fox o convoca para fazer parte de uma confraria de assassinos que remonta à Idade Média. Nesse clube, os figurões matam para manter certo equilíbrio social, passando a “cultura” de pai para filho. Depois de uma fuga alucinante de um atirador, Fox leva Wesley à Fraternidade, disposta a treiná-lo, despertando as habilidades do pai e preparando-o para sua vingança. De quebra, o garotão descobre que é herdeiro de uma quantia exorbitante de dólares. Que virada né?

Chefiado por um tipo misterioso, Sloan (Morgan Freeman), Wesley recebe uma missão, mas no meio do caminho percebe que a coisa não é bem aquilo que pensa. Mas isso, você descobre por si, ao ver o filme.

Enfim, “O Procurado” recicla uma série de idéias muito usadas no cinema de ação, a exemplo de Matrix e suas jogadas visuais, e elementos do roteiro de Clube da Luta. É um competente filme de ação. Com muito ritmo, velocidade, e uma violência que às vezes beira a crueza. É aquele tipo de passatempo agradável, sem maiores compromissos, e que preenche o tempo sem qualquer marca de tédio ou arrependimento.

Nota: 3,0 / 5,0


O Procurado –
Wanted, EUA, 2008
Direção: Timur Bekmambetov
Ação. 110 min.

Anúncios